quarta-feira, 8 de junho de 2011

Buquê fica onde mesmo??

Assim que eu terminei de ler o texto, lembro que fiquei toda afobada para entrar... A Suellen me instruia como entrar segurando o buquê, como faria quando chegasse ao altar, posicionou o meu braço no do meu pai, e abriram as portas... Acho que a partir daquele instante até a metade do altar eu flutuei...Meu braço subiu, e todas as instruções que a Dani, que fez meu buquê  me deu, a Suellen  cansou de repetir e todos os sites e blogs de casamento me ensinaram foram por água abaixo. Eu que tenho a maior facilidade do mundo de achar o ossinho do quadril e encaixar o pulso nele, esqueci totalmente. Meu buquê segurou toda tensão, todo nervosismo destes 19 meses de preparo, da semana tumultuada, das mini brigas da última semana, de saber que dali pra frente seríamos nós dois. O meu buquê lindo, que amei desde sempre segurou toda emoção de estar do lado do meu pai, com meu amor me esperando lá na frente, de ter minha mãe toda linda no altar e todos que eu amo do meu lado, sorrindo pra mim, ansiosos, e desejosos de tanta coisa boa.
Não lembro de ter ouvido nem um segundinho da Marcha Nupcial, nem se corri demais, ou me arrastei até o altar.



Assim que entrei vi uns amigos do trabalho do Henrique, depois vi uma pessoas da minha empresa, e depois a Flávia, minha prima com a máquina a postos pedindo um sorriso. Depois da metade não vi mais ninguém, só aquele que me esperava lá na frente. Quando chegamos, eu e meu pai paramos quando terminaram os bancos, mas Henrique estava lá grudadinho no altar. Ficamos uns segundinhos parados, esperando ele vir me buscar, segundos que pareceram horas inteiras.. fiquei com um medinho dele não vir me buscar. Até hoje eu pergunto "Amor, proque você demorou???". E ele : " Eu não sabia o que fazer"
Então, ele veio, cumprimentou meu pai, e eu me despedi, com um beijo na testa, e recebi outro e uma frase que me deixou bastante segura: "Você está muito linda!". Demos o braço e chegamos bem pertinho do altar. 
Queria logo ver todos os padrinhos, e todos os convidados, uma vontade de virar pra trás e ficar dando tchauzinhos, mas me segurei. Dei uma olhada rápida e um sorrisinho para todos. Minha cunhada, que entrou no lugar da minha sogra que é falecida chorava muito, e quase não me segurei quando olhei para ela. Do lado do Henrique estavam a Dida e a Fátima, que não via há um tempo. E além de todos os nossos queridos padrinhos e madrinhas, o tio do Henrique lá, sentadinho. Um personagem mais que especial na cerimônia. Foi muito bom te-los tão pertinho por algumas horas. Vi também minhas irmãs que estavam logo no primeiro banco e meus sobrinhos lindos, vestidos de roupa de gala, como damas e pajens.
Quando olhei para o outro lado, vi minha mãe, que estava mais linda do que nunca. Vi meus grandes amigos Glaucia e Arlley, que lembro que estavam muito emocionados e a Beta, outra madrinha, com os olhos  tão vermelhos quanto no dia que a convidei. No primeiro banco deste lado estava meu chefe com sua esposa e filho que me mandaram sorrisos e cochichos de "linda".
Minhas pernas tremiam demais, fiquei preocupada se estavam vendo, mas com aquelas saias todas impossível. Começava ai a cerimônia...

Um comentário:

Mayana & Jeomar disse...

Meninaaa, na hora de entrar esquecemos de tudooo!kkkk'
Minha cunhada pergunat até hoje com que música ela entrou...kkk' e eu disse que não lembro, olha que fui madrinha hein? E quando for a minha vez?kkk'

beijos :)